Saúde

23 Coisas inesperadas que a cafeína faz com o seu corpo

Fonte: Hypescience

Bom, o costume de tomar um “cafézinho” é praticamente mundial, e todo mundo sabe aqui no Brasil, é produzido um dos melhores cafés do mundo, então como se negar uma xícara de desse “elixir dos deuses”? Um exemplo disso é a estimativa do consumo anual que alcança a marca das 12 mil toneladas de grãos. Dessa maneira, é difícil que você não beba, no mínimo, uma xícara de café por semana. Mas, mesmo ingerindo diariamente as diversas bebidas e alimentos que contêm em cafeína, será que nós realmente conhecemos essa substância?

Acontece, que nem tudo são flores, a cafeína que é uma substância química encontrada em algumas plantas como o café, é um potente estimulante, porém seus efeitos em nossos corpos podem ser diversos. Em doses moderadas, a substância pode trazer uma série de benefícios para o organismo, incluindo a melhora da memória e da concentração, além de ajudar na saúde mental como um todo. Por outro lado, quantidades excessivas de cafeína podem aumentar a frequência cardíaca, causar insônia, ansiedade e outros efeitos colaterais. Entre aqueles que consomem a substância regularmente, a falta do estimulante pode resultar em dores de cabeça e irritabilidade. Olha só que interessante essas 23 coisas inesperadas que a cafeína faz com o seu corpo.

1 – Ir mais frequentemente ao banheiro

Fonte: Ansiedade Pânico

A cafeína é um diurético, o que significa que ajuda o corpo a drenar líquidos e aumenta a produção de um hormônio que estimula a contração de diversos músculos, assim como o cólon, o que pode levar ao aumento da frequência urinária, especialmente quando a cafeína é ingerida através de bebidas como o café, chá ou refrigerantes.

Estudos ainda analisam se esse efeito ocorreria também em usuários do café descafeinado. Mas bom, até lá podemos continuar tomando um cafezinho como um excelente digestivo.

2 – Ajuda na concentração

Fonte: Osul

Esse “efeito” da cafeína, você provavelmente já podia imaginar, ela contribui e ajuda você a se concentrar ainda mais. É por isso, que quando estamos abatidos, cansados e ligeiramente com sono, uma xícara de café é quase que obrigatória. Isso acontece porque a cafeína é uma espécie de facilitador para a serotonina, dopamina e outros neurotransmissores, que contribuem para o bom funcionamento do cérebro. Mas se você é um fã de longa data do café, apego, que se desenvolvem no corpo, não provoca aumento da produção de dopamina, que é mais ativa no cérebro.

3 – Os energéticos não contêm mais cafeína do que café

Fonte: Zoinc

Por mais estranho que isso possa parecer, beber energético não vai manter você mais alerta ou mais acordado do que uma xícara de café. Algo nos fez crer que aquelas latinhas pequenas contêm grandes quantidades de cafeína, mas isso não é verdade. O portal “Mayo Clinic” informa que uma lata de 250ml de Red Bull pode conter entre 76 e 80 mg de cafeína, enquanto da boa e velha xícara de café (240ml) pode variar entre 95 mg e 200 mg. A diferença é que o energético contém alguns açúcares (sacarose e glicose), além de taurina e outras substâncias que podem estimular o sistema nervoso. Mas se você estiver na dúvida, provavelmente uma dose de café terá tudo o que você precisa.

4 – Alivia dores de cabeça

Fonte: Meu portal

Pois bem, todo mundo é vítima das famosas dores de cabeça, uma vez ou outra. E que tal substituir o dipirona por uma dose de café? Além de mais barato, a alternativa é muito mais gostosa. A cafeína possuí a incrível habilidade de contrair os vasos sanguíneos de nossa cabeça, que naturalmente se dilatam, quando estamos sobre o efeito de fortes dores de cabeça.

Como, por exemplo, este estudo publicado em 2009 no “Journal of Headache and Pain”, os autores encontraram uma relação entre o consumo elevado de cafeína (aproximadamente 500mg/dia) e a prevalência de cefaleia, mas também mostraram que os sintomas de dor de cabeça crônica (mais de 14 dias por mês) eram mais comuns em pessoas com um consumo de cafeína considerado de baixo a moderado (aproximadamente 125mg/dia). Os autores escrevem que “os resultados podem indicar que um alto consumo de cafeína transformam dor de cabeça crônica em uma dor de cabeça menos frequente”.

Estudos apontam, que a combinação de café e aspirina pode gerar alívio na dor de cabeça em até 40% dos casos. Além disso, ela também acelera a reação do organismo a outros medicamentos. É por isso que muitos remédios daqueles de balcão de farmácia para dor de cabeça também contêm cafeína.

Mas cuidado, algumas pessoas que bebem demasiada cafeína podem começar a sentir dores de cabeça devido aos efeitos colaterais da estimulação do cérebro. A dor pode ter níveis de intensidade variados e pode ser facilmente confundida com outros problemas de saúde.

5 – Cafeína trata a dor e aguça a mente

O café é capaz de ser salvo da dor. Os pesquisadores compararam a gravidade do desconforto nas vértebras cervicais, ombros e pulsos, que é conhecido por qualquer trabalhador de escritório, por 6 a 7 horas por dia para se sentar em um computador, trabalhadores, mimando-me um copo ou dois no meio do escritório do dia, e aqueles que se abstêm do café – e fiquei surpreso ao descobrir que a ultima experiência, mais sofrimento do que o primeiro. E se o seu corpo não esta acostumado a cafeína, você pode usar o café para lidar ate mesmo com a dor de cabeça mais severa.

Assim, o café amacia dor, mas a sua utilidade para os trabalhadores de escritório não se limita. Para além da cafeína que contem trigonelina – outro alcaloide promove a regeneração de axônios e dendridoy – processos que são interligados a células nervosas do cérebro. Isto significa que o consumo regular de café, paradoxalmente, mantem a capacidade de trabalho do cérebro na melhor forma.

6 – Vício

Fonte: Blog das drogas 7A

Bom, é isso mesmo que você leu, afinal nem todos os efeitos da cafeína em nossos corpos são positivos. O que acontece nesse caso, é que ao contrário do que muitos acreditam, não é o consumo excessivo do café que pode gerar o vício nessa substancia, o vício psicológico ocorre quando uma pessoa está acostumada a ingerir uma grande dose de cafeína todos os dias, e por algum motivo decide parar. Ela sentirá dessa forma, alguns sintomas de abstinência, como sonolência, irritabilidade e falta excessiva de concentração. Vulgo, tudo o que o café lhe proporcionava.

Mas deve se culpar por vicio a esta substancia? A ultima pesquisa sugere que o nosso amor por ele tem uma base genética. Depois de uma tarefa verdadeiramente gigantesca, os médicos de Harvard comparados uns com os outros genomas de 120 mil pessoas e encontrou pelo menos seis variantes genéticas previamente desconhecidas que podem ser responsáveis pelo amor de seus portadores para bebidas com cafeína. Estes genes afetam o metabolismo das transportadoras causando-lhes sentimentos mais fortes positivos da cafeína e mais rápido desenvolvimento de dependência nele.

Além disso, as pessoas em cujo genoma contém, pelo menos, alguns destes genes deixará de sentir a influencia tranquilizante de café, chá ou de cola, e, como resultado, ao longo do tempo, começam a consumi-los em números cada vez maiores e com intervalos cada vez menores. Como descoberto por cientistas gene variantes afeta o metabolismo da glicose e gordura, assim como mecanismos para controlar a pressão arterial em pessoas que são geneticamente propensos a consumir cafeína normalmente encontrados no sangue mais elevado de açúcar no sangue e colesterol, e pressão arterial mais baixa.

7 – Problemas estomacais

A cafeína aumenta a produção de ácidos no estômago, e esse efeito pode ser ainda mais agravado quando o café é ingerido de estomago vazio. Se você já teve a infelicidade de ter uma úlcera, sabe como se trata de algo extremamente doloroso. Pessoas que já possuem problemas estomacais como gastrite e úlceras por exemplo, são fortemente recomendadas a não consumir o café. Adicione a isso o fato de que o consumo de café muitas vezes pode levar á ansiedade e irritabilidade, e você tem uma receita completa para dores de estômago devastadoras.

8 – Insônia

Fonte: Revista Dia a Dia

A cafeína leva em média apenas 15 minutos para começar a fazer efeito em seu corpo, por outro lado ela leva nada mais e nada menos do que 6 horas para ser completamente eliminada dele. Os amantes do café sabem que dormir é melhor abster-se da taça – ou dormir e nunca será. Mas um novo estudo demonstrou que é necessário deixar de beber café, pelo menos, 7-8 horas antes de ir para a cama: mesmo se você decidir tomar o trem o último lote de exatamente 6 horas antes de deitar, um “efeito de vivacidade” indesejável vai impedi-lo de sono apenas ligeiramente mais fraco do que no caso, se você beber o cálice por uma hora antes de dormir.

Mesmo que não tenha ingerido cafeína recentemente, demasiado consumo ao longo do dia pode afetar a capacidade de adormecer à noite. Para algumas pessoas, isto produz um ciclo vicioso dado que não dormindo à noite, necessitam de mais cafeína durante o dia.

9 – Osteoporose

Sabe o que os astronautas e os viciados em café tem em comum? Pode até parecer uma piada ruim, mas de fato esses 2 seletos grupos possuem uma grande semelhança. Eles sofrem gradativamente de perda de massa óssea. Ao longo do tempo, o consumo de grandes quantidades de cafeína pode diminuir a densidade de massa óssea, uma vez que a cafeína interfere com a capacidade do organismo em absorver cálcio. Em casos graves, uma pessoa com densidade de massa óssea significativamente diminuída pode desenvolver osteoporose.

10 – Café mata

Quatro xicaras de café por dia vai fazer de você um herói, tristes estatísticas: a taxa de mortalidade entre aqueles que não conhecem a moderação na paixão por esta bebida é maior do que entre as pessoas que são indiferentes a ela ou consumi-lo com moderação. O estudo, que analisou dados de mais de 40 mil pessoas mostrou que a taxa de mortalidade no primeiro é 21% maior do que no ultimo. E o café não é particularmente assustador para os idosos e para os jovens e maduras – em pessoas com menos de 55 anos, o risco de morte por doenças associadas ao consumo elevado de café (doenças cardiovasculares em geral), quase 50% maior.

Mas as diferenças entre os sexos não é aqui – a taxa de mortalidade entre homens e mulheres era aproximadamente igual. Enquanto isso, cerca de 60% dos EUA e países europeus beber café todos os dias, e a proporção de “viciados do café” que não conhecem nenhuma moderação, entre eles permanece elevada. No entanto, não devemos esquecer que o numero de efeitos para a saúde causados por cafeína é limitado. E as pessoas, muitas vezes manchou o nome glorioso de este alcaloide, amarrando-o com as dores de cabeça, fadiga e náuseas.

11 – Café causa alucinações

Fonte: Laparola

Sério. Um estudo realizado na Universidade de Durham (Reino Unido) em 2009 descobriu que as pessoas que consumiam pelo menos 315mg de cafeína (cerca de três xícaras de café) por dia eram três vezes mais propensas a ter alucinações que as pessoas que consumiam doses menores de café. Ver coisas, ouvir vozes e sentir a presença de fantasmas estavam entre as experiências relatadas pelos participantes do teste. Essas experiências foram computadas como “alucinações” pelos pesquisadores. De acordo com eles, a questão fundamental é: são as alucinações resultado do habito de beber café, ou o café é algo que os alucinados usam como desculpa para lidar com suas experiências?

Pelo menos um estudo, conduzido pelo pesquisador Harold Kownigsberg em 1993, descobriu que a cafeína, quando injetada por via intravenosa para testar os participantes durante o sono, tinha o curioso efeito de induzir alucinações olfativas. Quando os participantes do teste acordaram, eles relataram ter experimentado uma variedade de cheiros estranhos. Um dos participantes, inclusive, disse ter sentido o cheiro de “plástico ou café queimado”.

12 – Café pode provocar um aumento no seu colesterol

Um estudo realizado em 2007 na Universidade Baylor de Medicina determinou que a ingestão de cafestol e kahweol, moléculas estruturalmente semelhantes e encontradas exclusivamente em grãos de café, pode levar a aumentos significativos nos níveis de colesterol LDL em humanos. Aqui está a boa noticia, no entanto: filtros de café de papel podem realmente se ligar as moléculas enquanto o café sendo passado, de modo que elas nunca chegam ao seu copo em quantidades significativas.

13 – Café pode ajudar a prevenir câncer

Quase escrevi que o câncer odeia café, mas a palavra “ódio” é provavelmente um pouco forte demais. Claro, muitos estudos tem demonstrado correlações entre o consumo de café e o risco reduzido de câncer. Contudo, nenhum desses estudos consegue formar correlações particularmente fortes e realmente significativas.

14 – Café não faz bem para bebês

Fonte: Bolsa de Mulher

Numerosos estudos tem apontado para uma correlação entre o consumo de café em mulheres gravidas e uma maior probabilidade de aborto espontâneo. Uma das pesquisas mais recentes e sem duvida a mais completa até o momento, publicada em 2008, revelou que o risco de aborto é mais do que o dobro em mulheres que consomem 200mg ou mais de cafeína por dia.

15 – Café provavelmente tem um efeito preventivo contra o diabetes tipo 2

Enquanto os estudos sobre a correlação entre o consumo de café e o câncer não são os mais atraentes e conclusivos, Frank Hu, epidemiologista da Universidade de Harvard, caracteriza os dados sobre café e diabetes tipo 2 como “bastante sólidos”. E essa afirmação ele faz com base em mais de 15 estudos publicados recentemente, sendo que a grande maioria tem demonstrado que o café ajuda na prevenção do diabetes tipo 2. Agora, há também evidências cientificas de que o café descafeinado pode ter o mesmo beneficio que o café regular.

De acordo com Hu, os benefícios da bebida provavelmente se resumem ao seu conteúdo antioxidante e mineral. Substancias como magnésio e cromo, em particular, ajudam o corpo a fazer uso do hormônio insulina, que por sua vez auxilia o organismo a regular o açúcar no sangue.

16 – Café ajuda a controlar distúrbios cognitivos

O consumo de café também tem sido associado com diminuição do risco de problemas cognitivos como demência, principalmente a doenças de Alzheimer. Um estudo realizado em 2009 sugere que as pessoas que bebem café regularmente por 20 anos, algo em torno de 3 a 4 xícaras por dia, tem 65% menos probabilidade de desenvolver demência e doença de Alzheimer do que aqueles que bebem 2 xícaras ou menos.

17 – Café faz seu intestino funcionar

Fonte: Não acredito

O café é um estimulante. Isso é fato. Mas quando ouvimos, geralmente pensamos que esse estimulo fica restrito a atividade cerebral ou ao sistema nervoso. No entanto, uma das coisas que o café estimula é o peristaltismo, as contrações musculares que acontecem em suaves ondas no seu trato gastrointestinal. O que é interessante, porém, é que muitas pessoas experimentam a necessidade de fazer o numero dois só com café (mas não com, digamos, bebidas energéticas). Outras pessoas chegam a experimentar esse efeito depois de beber cervejas descafeinadas, também.

Além do mais, o desejo de ir ao banheiro provavelmente vem rápido demais para ser causado diretamente pela cafeína sozinha. De acordo com um estudo, a velocidade com que a resposta ocorre (aproximadamente dentro de quatro minutos depois de beber o café) sugere uma ação indireta sobre o cólon. Os pesquisadores suspeitam que o café pode induzir a uma “resposta gastrocolonical” agindo sobre os receptores epiteliais do estomago ou do intestino delgado. Esse mecanismo pode ser mediado por mecanismos neurais ou por hormônios gastrointestinais.

O café tem sido apontado como o responsável pela liberação de gastrina, que pode aumentar a atividade motora do cólon. Ou seja: o seu cafezinho de todos os dias pode ser um bom laxante.

18 – Ritmo cardíaco acelerado

Uma vez que a cafeína excita o sistema nervoso, pode existir mais pressão sobre o coração para manter o corpo em estado de estimulação. Ao acontecer, acelera a frequência cardíaca para acomodar o trabalho extra do organismo. Ritmo cardíaco rápido pode ser perigoso, especialmente para quem têm uma doença cardíaca ou sofre de ritmos cardíacos irregulares.

19 – Náusea

O efeito diurético da cafeína pode causar náuseas em algumas pessoas e, em alguns casos, pode mesmo provocar vômitos. O ato de vomitar em si é raro embora possa acontecer a pessoas mais sensíveis.

20 – Ansiedade

Fonte: Hypescience

Algumas pessoas não lidam bem com estímulos fortes no cérebro e no sistema nervoso, resultando em estados de ansiedade causados pelos efeitos da cafeína no corpo. Em casos mais severos, podem mesmo sentir sintomas de depressão associados ao excesso de cafeína.

21 – Tremores musculares

Muita gente sente tremores no corpo ou nervosismo depois de beber demasiado café, o que resulta da super estimulação do sistema nervoso. Pessoas que deixam de consumir cafeína após uma longa dependência chegam a sofrer afrontamentos e estados de humor alterados.

22 – Caroços no peito

Fonte: Saúde Dicas

Pessoas que bebem cafeína em excesso podem desenvolver nódulos dolorosos no peito, conhecidos também por doença fibrocística. Em alguns casos, simplesmente reduzir a ingestão de cafeína faz com que estes caroços desapareçam.

23 – Nutrição

Crianças que têm excesso de cafeína na sua alimentação, não estão a receber uma nutrição equilibrada para o seu desenvolvimento e crescimento adequado. Isto torna-se verdade quando uma criança toma bebidas cafeinadas em vez de bebidas saudáveis, como água, leite ou sumos naturais. Além disso, a cafeína pode diminuir o apetite da criança, o que aumenta a probabilidade de nutrição desadequada.

 

Artigo: artigosdemulher Ultra Curioso, Estudos Bíblicos Grátis, Mega Curioso, Hypescience, Medicina Tradicional Chinesa.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *